Escolha do acabamento para madeira – parte 1

Tábuas de teste de acabamentos

Antes de começar o seu próximo projeto de madeira pense no produto para acabamento: sua aparência, método de aplicação e durabilidade. Neste texto mostramos os tipos de produtos disponíveis.

Acabamento é uma das maiores dores de cabeça de muitos marceneiros. Apesar de não terem medo de encaixes complexos nem de trabalho de corte e preparação precisos, muitos torcem o nariz ao aplicar o acabamento na madeira. Saber responder à pergunta “qual o melhor acabamento para o meu trabalho?” com confiança é uma importante barreira a ser superada.

Os produtos para acabamento podem ser agrupados em categorias baseadas nas características gerais de trabalho e níveis de proteção que eles oferecem: ceras, óleos, vernizes, lacas naturais e sintéticas e acabamentos à base d´água. Cada tipo de produto oferece diferentes níveis de proteção, durabilidade, facilidade de aplicação e de reparo e, claro, aparência bastante distinta. Infelizmente, nenhuma destas categorias é indiscutivelmente a melhor em todos estes requisitos – um acabamento pode ser muito bom em um e miserável em outro – o que torna a escolha do produto uma questão de aceitar que é preciso equilibrar as características mais desejadas com as que não comprometem o resultado final.

Todos os produtos podem ser divididos em dois grupos distintos baseados na forma como eles secam, ou curam. Produtos evaporativos – como laca e muitos acabamentos à base d´água – formam um filme duro através da evaporação do solvente (água não é um solvente, é um veículo para a emulsão da resina). Estes acabamentos sempre serão dissolvidos novamente no solvente usado para afiná-los mesmo muito tempo depois de estarem secos, o que os torna menos duráveis que os acabamentos reativos. Muitos acabamentos reativos – como os óleos de linhaça e tungue e vernizes catalisados – também contêm solventes que evaporam no processo de secagem, mas todos curam pela reação química com o ar ou catalisador misturado neles antes da aplicação. Estes produtos são alterados quimicamente enquanto curam e depois disso não é possível dissolvê-los novamente. Exceto pelos óleos puros, acabamentos reativos resistem melhor à temperaturas extremas e produtos químicos.

Veja uma lista dos produtos mais comuns para compará-los.

Ceras

As ceras não devem ser usadas como produto único de acabamento, mas são excelente opção para dar lustro e toque aos outros acabamentos. Os dois tipos mais comuns de cera utilizados em madeira são de carnaúba e abelha. A cera de candelila é usada para aumentar a proteção contra umidade no lugar da parafina de petróleo.

Óleos secativos

Os óleos puros de linhaça e tungue são os mais usados no acabamento de madeira e são relativamente baratos. A designação secativos os distiguem dos outros óleos usados para acabamento mas que não curam naturalmente, como o óleo de soja. Os óleos secativos passam do estado líquido para o sólidos através de um processo chamado polimerização, o que torna o acabamento mais resistente.

O óleo de linhaça é vendido em diversos tipos. O óleo não refinado raramente é usado em madeira porque cura muito lentamente. Há muito tempo o óleo de linhaça é cozido em alta temperatura para diminuir o tempo de cura, o que resulta em um óleo muito mais viscoso. Originalmente, o óleo era cozido puro – hoje este tipo é chamado polimerizado – mas o mais comum é o óleo cozido com secantes metálicos para acelerar artificialmente a cura. O nosso óleo de linhaça é puro refinado.

Árvore de tungue
Árvore de tungue
Óleo de tungue é derivado das castanhas de uma árvore originária da Ásia e cultivada em diversas regiões do mundo. Está disponível nos tipos bruto e polimerizado. O tratamento térmico (polimerização) torna o óleo mais durável e acelera o tempo de cura; também diminui a tendência do óleo de tungue de congelar, isto é, curar com aspecto leitoso e sem brilho. O acabamento do óleo de tungue é mais claro e mais resistente à umidade que o do óleo de linhaça.

Os dois óleos são acabamentos penetrantes, o que significa que eles penetram nas fibras da madeira e curam. São os acabamentos mais fáceis de aplicar: espalhe o óleo na madeira, deixe que penetre nas fibras e remova o excesso com um pano. Estes óleos geralmente não são aplicados em demãos suficientes para formar um filme contínuo sobre a madeira como acontece com vernizes porque a demão é muito macia e fina.

Vernizes

Os vernizes são fabricados a partir de resinas sintéticas duras modificadas com óleos secativos. Os rótulos dos produtos mostram resinas como alquídica, fenólica ou uretânica e os óleos usados são de linhaça, tungue e outros óleos semi-secativos como o de soja. Os vernizes secam pelo mesmo processo de cura dos óleos secativos – polimerização – mas as resinas tornam o acabamento mais resistente que óleo. Na verdade, os vernizes à base de óleo são o acabamento mais durável que pode ser facilmente aplicado por marceneiros iniciantes e hobistas. O verniz supera muitos outros produtos em resistência a água, calor, solventes e produtos químicos.

Resina natural sólida para fabricação de verniz
Resina natural sólida para fabricação de verniz
Vernizes que contêm uma proporção alta de óleo (em relação à resina) são chamados vernizes longos. Estes incluem vernizes marítimos verdadeiros, alguns vernizes spar e para exterior. Eles são mais eláticos e macios que os vernizes médios e curtos, que contêm menor proporção de óleo. Vernizes médios constituem a maior parte dos vernizes para interior à venda. Vernizes curtos curam apenas a altas temperaturas e são usados apenas em aplicações industriais.

O tipo de resina usada na fabricação do verniz determina as características do acabamento. Verniz alquídico é o faz-tudo padrão para interiores e oferece uma boa proteção. Verniz fenólico, geralmente feito com óleo de tungue, tem uso predominantemente exterior (é o tipo do nosso verniz naval Tru-spar). Verniz uretânico, ou poliuretano, oferece maior resistência a calor, solventes e riscos que os outros tipos de verniz; porém, seu filme é muito rígido para uso externo.

O verniz é geralmente aplicado com pincel, e os vernizes mais finos do tipo wiping varnish pode ser aplicados com pano.

Mistura óleo/verniz

Estas misturas oferecem duas das melhores características dos seus dois componentes: aplicação fácil do óleo e proteção do verniz. Essas misturas são vendidas com nomes como tung oil finish, teak oil, danish oil e outros. Eles curam mais rápido que os óleos puros e é mais fácil formar uma camada uniforme de proteção sobre a madeira.

Goma laca

A resina natural dissolvida em álcool é um dos acabamentos mais versáteis porém requer técnica mais apurada para ser aplicada porque o álcool evapora rapidamente. Existem diversos tipos e cores de goma laca, de rubro-laranja a transparente. Alguns tipos contêm cera natural que diminui a resistência do acabamento à umidade e impede que outros tipos de acabamento possam ser aplicados sobre ela.

Lacas

As lacas ainda são vistas como o melhor acabamento para madeira porque secam rápido, destacam a madeira, têm durabilidade boa a excelente dependendo do tipo são facilmente polidas. Existem vários tipos de lacas que têm características distintas:

Nitrocelulose

Resina alquidica
A resina alquidica é a base dos vernizes comuns
É a mais comum. Se está escrito “laca” no rótulo é provavelmente nitrocelulose, que é feita a partir de resinas alquídica e nitrocelulósica dissolvidas em solventes de petróleo de rápida evaporação. Este tipo de laca tem resistência moderada a água e é sensível a calor e alguns tipos de solventes. A principal desvantagem é que o acabamento tende a amarelar com o tempo, problema que fica bastante pronunciado em madeiras claras.

Laca acrílica modificada

Feita com uma mistura de uma resina que não amarela – o acetato butirato de celulose e resina acrílica. Esta laca tem as mesmas propriedades gerais da nitrocelulósica exceto que é completamente transparente, o que significa que não dá o tom quente “âmbar” nas madeiras mais claras; e não amarela com o tempo.

Laca catalisada

A laca catalisada tem a facilidade de aplicação da laca de nitrocelulose e a resistência do verniz. É um produto complexo composto de uréia-formaldeído ou uréia-melamina e resina alquídica com traços de resina nitrocelulósica para tornar a aplicação mais próxima da laca normal. A adição de um catalisador ácido inicia uma reação química que forma um filme muit duro e resistente. Depois que o catalisador foi misturad com a laca o produto tem um tempo bastante curto para ser utilizado.

Acabamentos à base dágua

Estes acabamentos contêm as mesmas resinas dos vernizes e lacas – principalmente uretanânica, alquídica e acrílica – mas quase todos os ingredientes inflamáveis e poluentes foram substituídos por água. Como as resinas não têm afinidade natural com a água elas precisam ser modificadas quimicamente ou é adicionado um emulsionante ao produto final para que elas sejam combinadas com a água.

Estes produtos são feitos principalmente com resina acrílica – vendidos como Laca à base d´água – ou mistura de resina acrílica e uretânica, estes vendidos como poliuretano à base d´água. Como no verniz, a adição do uretano torna o acabamento mais duro e resistente a riscos, mas o uretano à base d´água não tem a mesma resistência que o tipo à base de óleo.